sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Venezuela, a questão central do poder


“Foto de família” por Vasco Gargalo

«Nenhuma campanha fará o PCP vacilar na sua posição internacionalista.»

A violência da campanha contra a Venezuela bolivariana e a não menos violenta onda de anticomunismo vomitada contra o PCP só é explicável porque o que está em jogo é o destino de um processo revolucionário. A extraordinária agudização da luta que opõe as forças reaccionárias e o imperialismo às forças que defendem as conquistas alcançadas desde a histórica vitória de Hugo Chávez nas eleições presidenciais de 1998 não é apenas em torno da orientação política do poder, mas em torno do próprio poder, seu conteúdo económico e social e natureza de classe. (ler mais aqui)

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Só agora !?...

“Governo decreta estado de calamidade pública”

Os fogos e a destruição da floresta assim o justificam, mas, e a destruição da PT, onde ardeu um património considerável e os pirómanos foram galardoados?

E a incineração da CIMPOR, uma das dez cimenteiras mais importantes do mundo, cujas cinzas jazem no Brasil e hoje para nós está reduzida a patacos?

Não era motivo para que os governos do arco da governança PS/PSD/CDS tivessem decretado “estado de calamidade pública”?

E as chamas dos escaldantes negócios da EDP, cujos incendiários se escapam por entre a fumaça do fogo assassino sem que a PJ os incomode?

E todo o nosso parque industrial que competia com os melhores do mundo e que se esfumou repartido pelo “quem dá mais?” em despudorados leilões?

E os ex-presidentes da República não se aperceberam da “calamidade pública”, não mexeram uma palha para evitar a “calamidade” ou sub-repticiamente atiçavam as chamas?

Todos, absolutamente todos, são pirómanos dos bens que nos pertencem e que uma vez deles despojados, ficámos à mercê do tempo e sem capacidade para enfrentar quaisquer flagelos que nos assolem.

A maior “calamidade pública” em ação desde a contra revolução, têm sido os governos do trio governativo, [PS/PSD/CDS] cói de gatunos, alguns já apanhados nas largas malhas da justiça.


Procissom da Assunçom em Meirás



Procissom na paróquia de Meirás (14-08-2017) ao som do Avante Camarada. O clero em Trasancos abraça a Teologia da libertaçom

E porque não! O Avante não é um hino de libertação?

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

O DESPORTO DOS POBRES


Onde seja necessário esforço, perseverança e determinação, lá estão os pobres, lutar é o seu modo de sobrevivência, não é por acaso que nos surgem nos desportos onde a tenacidade e o sofrimento atinge o limite da capacidade humana. Cinquenta quilómetros de marcha!... Quantos milhares e milhares de quilómetros percorridos para ser a melhor do mundo?

Eu ofereço-lhe a medalha de platina pela vitória da sua modéstia:
“o que a minha mãe faz todos os dias é muito mais duro”.

O coração da Inês Henriques tem quilómetros, e a sua grandeza emociona..


terça-feira, 15 de agosto de 2017

Então, e agora trampistas de…?

Não vos tenho ouvido, senhores trampistas, desde que o vosso todo-poderoso Trump disparou o foguetão verbal contra a Venezuela, não sabem que voltas dar à explosiva afirmação.

Desenterraram todo o vosso arsenal verbal para denegrir a Venezuela, em uníssono atiçaram o cão, e agora que o animal uivou, não soltam um tímido latido.

Vá lá… gente sem escrúpulos, digam claramente que sim, que o Ku Klux Klan deve avançar e fazer ao Maduro o que fizeram ao Kadafi, (Nós viemos, vimos, ele morreu)««aqui) desabafo  da civilizada Hillary Clinton. A censura e a cobardia andam de mãos dadas, ao não condenarem as bravatas do americão estão a aceitar a intenção.