sexta-feira, 26 de novembro de 2010

BANKSTERS

O vocábulo foi criado por Franklin Roosevelt presidente dos EUA que não era nenhum menino de coro.

Os Banksters impuseram o ORÇAMENTO que os seus serventuários se apressaram a aprovar.

O crime está consumado.

Os banksters e toda a canalha que os venera abrem garrafas de champanhe e vêem em cada bolha que surge na taça um grito de revolta.

MAS...

CDS-PP, PSD e PS “não tocam nos banqueiros porque são estes que financiam as suas campanhas e que determinam grande parte da comunicação social” Jerónimo de Sousa
Posted by Picasa

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

ACORDAI!

Acordai!
Acordai, homens que dormis
A embalar a dor
Dos silêncios vis!
Vinde, no clamor
Das almas viris,
Arrancar a flor
Que dorme na raíz!

Acordai!
Acordai, raios e tufões
Que dormis no ar
E nas multidões!
Vinde incendiar
De astros e canções
As pedras e o mar,
O mundo e os corações...

Acordai!
Acendei, de almas e de sóis,
Este mar sem cais,
Nem luz de faróis!
E acordai, depois
Das lutas finais,
Os nossos heróis
Que dormem nos covais.

ACORDAI!

José Gomes Ferreira

A MAIS BELA JORNADA DE LUTA DE SEMPRE

O MUNDO DO TRABALHO ESTÁ DESPERTO

Posted by Picasa

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

MOBILIZAR, MOBILIZAR, MOBILIZAR!

Hoje, amanhã e depois
a tarefa prioritária está
na mobilização.
Expressar a revolta
fazendo
GREVE.

(Quando atirará o povo a albarda e o cavaleiro ao ar?)


O descontentamento alastra
o direito à revolta é legítimo e indispensável

Posted by Picasa

sábado, 20 de novembro de 2010

Botas de sangue

Guantánamo

Não. Não foram os pobres engraxadores do Rossio que exerceram essa nojenta tarefa.

De modo vergonhoso, reles, toda a fina flor do entunho se ajoelhou e lhe lambeu as botas.

Botas manchadas de sangue de tanto esmagar o mundo.

Posted by Picasa

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Pátria desamada - 6 deNov.


Pátria desamada


vês o teu país
como um filho
que passa mal
e
tu passas por ele
e
não fazes nada?

uma
pátria perdida
louca varrida
violada
um povo humilde humilhado
a
pedir mendigo justiça
uma
terra de ninguém
onde diseurs da mentira
proclamam
grandes verdades
e tomam
posse da minha amada pátria
como se fosse uma junta de freguesia
ajeitam a
gravata
acertam o
preço com os fregueses
e trespassam-na no
mercado:
rápido que é para acabar

Dinis H. G. Nunes

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Essa coisa!



Bateu-se para que se concretizasse o crime. Envolveu-se na delineação e aplicação do mesmo. Vituperou quem quer que se tivesse atrevido a denunciá-lo. Sentenciou que se aplicasse mais uma volta ao garrote a juntar às muitas que havia dado quando guindado à governança. Palrou ainda que caso não tivessem em conta os seus doutos conselhos o país se esboroava.

Que a culpa é de Bruxelas. Calculem bem!...

Consumado o assassinato friamente perpetrado, salta a terreiro denunciando os criminosos.

Este orçamento-crime não presta. Ai que D’el-rei que o povo vai sofrer, o povo não suporta mais sacrifícios, o povo, o povo, o povo.

Faz por esquecer o grito intemporal que lhe zuniu aos ouvidos e tantos calafrios lhe causou:

«O povo é quem mais ordena»

ou

«o povo unido jamais será vencido»

Posted by Picasa