sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Esta coisa purulenta


Esta coisa nogenta, este nazi Ulrich, vocacionado para gerir fornos crematórios em Auschwitz, para não trair os seus ascendentes, continua a lançar gás para incineradora portuguesa. Os governantes a soldo veneram-no e com os nossos impostos enchem-lhe a burra.
Fernando Ulrich, Chief Executive Officer (CEO) do BPI, recebeu um salário fixo de 346,67 mil euros no ano passado, a que se somou uma remuneração variável de 380 mil euros num total de 726.667 mil euros. A remuneração total (fixa e variável) atribuída à Comissão Executiva do BPI foi de 3,87 milhões de euros. Isto sem contar com os muitos cartões, despesas de representação e muitas mais mordomias, além de milhões dos rendimentos da fortuna acumulada.
Depois de sadicamente proferir o ano passado a propalada “Ai aguenta, aguenta” mais austeridade, tratando-nos de forma desprezível, a coisa voltou ao insulto:

«Se você andar na rua e infelizmente encontramos pessoas que são sem-abrigo, isso não lhe pode acontecer a si ou a mim porquê? Isso também nos pode acontecer».

«Se os gregos aguentam uma queda do PIB de 25% os portugueses não aguentariam porquê? Somo todos iguais, ou não

«E se aquelas pessoas que nós vemos ali na rua, naquela situação a sofrer tanto, aguentam, porque é que nós não aguentaríamos? Parece-me uma coisa absolutamente evidente», completou.

O fascismo se apresenta de modo desbragado e arrogante.

Se não lhes fizermos frente na rua, não encontraremos lugar para nela dormir.


4 comentários:

Graciete Rietsch disse...

Talvez ele venha mesmo a aguentar o que merece.

Um beijo.

Olinda disse...

Nesta guerra de classes,sentem-se fortes e arrogantes,mas se os ventos mudam,pode vir uma marê menos boa para o ulrich-hitler,e entao vamos ver se aguenta a ira do povo.Se nao for ele,serao os filhos ou netos.

Luís disse...

Com gente desta é que a banca provocou a crise, continua a acumular lucros, borrando-se para a crise!
Se eu um dia visse esse homem a dormir de baixo de um cartão, o que deveria fazer??
Um abraço aguentado

trepadeira disse...

Ele há cada pulha.

Lá estaremos.

Abraço,

mário