quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Uma vergonha, um escândalo!

Foi necessário recorrer à CNN e à BBC para saber o que se passa com Bruno de Carvalho. Os nosso media, nomeadamente as televisões, escondem-nos, escandalosamente e, cada vez mais, questões de fundamental interesse para ao nosso dia-a-dia, à nossa sobrevivência e felicidade. O povo manifestou-se, - Força Bruno - e esconderam-nos estes anseios e virtudes populares, um escândalo!
Ao invés, nestes últimos dias massacraram-nos com a manifestação nacional  da CGTP, sobre os direitos e a valorização dos trabalhadores, como se a divulgação das questões sindicais pudessem interessar à maioria dos nossos concidadãos.

Isto faz-me recordar o fascismo em que para sabermos o que se passava em Portugal tínhamos que ouvir a Rádio Portugal Livre.

terça-feira, 13 de novembro de 2018

Antena2 Megafone do bloco

A jornalista desta rádio [Antena2] que se abrigaria a ser apartidária, a propósito ou despropósito, abre as goelas ao seu Bloco. Duvidam? Como pequeno exemplo oiçam o noticiário das 16 horas de hoje 13/11/2018.

A Antena2 é a minha rádio, que desejo apartidária e democrática, e se a senhora jornalista está de algum modo interessada em promover esta organização, que o faça no lugar próprio e não com os nossos impostos.

(e-mail enviado à Ant.2)

TODOS!

NUNCA SEREMOS DEMAIS

domingo, 11 de novembro de 2018

Espetáculo macabro

Os senhores da guerra encontram-se cem anos após a primeira carnificina [antes da segunda, como diria o Thomaz] que engendraram de 1914/18: a Primeira Grande Guerra.

Vencedores e vencidos trocaram beijos e abraços e cumprindo o protocolo deslocaram-se ao Palácio do grande vencedor, chez Macron, para tomar le petit déjeuner e preparar forças para o ritual: colocar a gerbe no túmulo do soldado desconhecido, e, estafados voltarem ao Palácio do Eliseu para a Grande Bouffe, almoço de trabalho, onde se concretizam os grandes negócios bélicos em suspenso.

São aos milhões os jovens que estes crápulas têm sacrificado em louvação à pátria e aos negociantes de material de guerra.

Nos cem anos que nos separam do armistício, a classe dos que hoje se abraçam, não deixaram de massacrar os povos em todos os continentes, aos milhões, e até nós, como se a guerra colonial não nos tivesse chegado, continuamos, agora a reboque da NATO a contribuir para o crime no Afeganistão.

Le déserteur

Monsieur le Président
Je vous fais une lettre
Que vous lirez peut-être
Si vous avez le temps
Je viens de recevoir
Mes papiers militaires
Pour partir à la guerre
Avant mercredi soir
Monsieur le Président
Je ne veux pas la faire
Je ne suis pas sur terre
Pour tuer des pauvres gens
C'est pas pour vous fâcher
Il faut que je vous dise
Ma décision est prise
Je m'en vais déserter
Depuis que je suis né
J'ai vu mourir mon père
J'ai vu partir mes frères
Et pleurer mes enfants
Ma mère a tant souffert
Elle est dedans sa tombe
Et se moque des bombes
Et se moque des vers
Quand j'étais prisonnier
On m'a volé ma femme
On m'a volé mon âme
Et tout mon cher passé
Demain de bon matin
Je fermerai ma porte
Au nez des années mortes
J'irai sur les chemins
Je mendierai ma vie
Sur les routes de France
De Bretagne en Provence
Et je dirai aux gens:
Refusez d'obéir
Refusez de la faire
N'allez pas à la guerre
Refusez de partir
S'il faut donner son sang
Allez donner le vôtre
Vous êtes bon apôtre
Monsieur le Président
Si vous me poursuivez
Prévenez vos gendarmes
Que je n'aurai pas d'armes
Et qu'ils pourront tirer

Compositores: Boris Vian / Harold B Berg

sábado, 10 de novembro de 2018

Transparência, Silvano ou “ O homem invisível”




A transparência enunciada no PSD, funciona. Está confirmado, é invisível, é público.

Quando miúdo, fascinado com as peripécias de Jack Griffin, enrolava uma ligadura à volta da cabeça e, na minha ingenuidade, imaginava-me invisível e flanava por entre a outra miudagem como se ninguém me visse.
  
O deputado Silvano esteve na Assembleia da República, detentor da monocaina, que muda o índice de refração de um corpo, segundo o Dr. Griffin, tornou-se invisível. A droga em questão, atualmente é conhecida por password, produto mágico que permite aos deputados entrarem e saírem da Assembleia sem que ninguém os veja.

As televisões, não se cansam de passar esta nova versão do ‘Homem Invisível’. Quando cachopo estas estórias divertiam-me, agora cansam-me.