quinta-feira, 20 de setembro de 2018

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

As pontas da mesma meada


JAIME GAMA Ministro dos Negócios Estrangeiros, da Defesa Nacional e do Estado em governos de Mário Soares/Carlucci e Guterres.
 Para quem não está atento, a apresentação do livro de Madeleine Albright, é um rotineiro acto cultural, sem quaisquer compromissos ou reconhecimentos. Credenciar uma criminosa que publicamente afirma, sem remorsos, que a morte de 500.000 (quinhentas mil) crianças, devido ao embargo por ela promovido contra o Iraque, se justifica, só alguém extremamente comprometido o pode fazer.

O tempo, vai-nos cedendo, os fios da meada onde se enrolaram Mário Soares, Frank Carlucci, António Guterres, Jaime Gama e muitos outros. A morte de meio milhão de crianças, quase o equivalente ao das vítimas de Nagasaki e Hiroshima, é também para Jaime Gama, algo que se justificou. Conclui-se.

"MALHAS QUE O IMPÉRIO TECE"

terça-feira, 18 de setembro de 2018

Foi bonita a Festa, pá! por Alexandre Santini*


  *Gestor cultural, dramaturgo e escritor, é diretor do Teatro Popular Oscar Niemeyer, em Niterói (RJ) e autor do livro "Cultura Viva Comunitária: Políticas Culturais no Brasil e na América Latina"

Foi bonita a Festa, pá!

Retornando ao Brasil após uma das experiências mais marcantes da minha vida: ter participado dos 3 dias da Festa do Avante, grande evento político-cultural realizado há 42 anos pelo Partido Comunista Português (PCP). Confesso que, ao ver a dimensão da Festa ao vivo, desisti do meu propósito inicial com esta visita, que era tentar reproduzir algo nas dimensões da Festa do Avante no Brasil. Seria impossível.
Ler e ver (AQUI)

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

O ESGOTO OU COMO PROMOVER O FASCISMO

A imagem sedutora do candidato fascista, preenche a capa do jornal e da revista P2, visível em todos os escaparates, para que se não perca a mensagem.

O Público deste domingo 16, é um hino à extrema-direita brasileira, da capa do jornal à capa e quatro páginas do suplemento, a fossa extravasa. Fede a revanchismo, a ditadura militar e ao discurso da CIA sempre atenta aos peões nos media ditos de referência.

Com a linguagem viperina, própria de encantadora de distraídos, ‘Clara Barata sub-editora do Mundo’ em quatro páginas sibilinas procura fazer crer que Jair Bolsonaro é um ser humano como qualquer outro.

Não é fácil encontrar quem elabore um texto onde se encontrem todos os ingredientes criteriosamente elaborados para destruir o que não se pretende e acinzentar a iniquidade do que se defende, acabando por lhe dar o colorido que o iliba.
  
Esta peça é digna de estudo.




domingo, 16 de setembro de 2018

A lucidez de João Pedro Stédile

 

Stédile, é o lutador mais bem preparado ideologicamente e o que melhor interpreta a realidade do seu país. Traduz na prática o marxismo-leninismo.

"Nesta eleição a disputa é de classes:
quem está com o povo e contra ele"

Na avaliação de Stédile, nesta eleição, quem vota nulo e branco é a favor dos golpistas, pois deixa claro que não quer mudança.
Eleger o presidente, os deputados e os senadores comprometidos com os interesses dos trabalhadores é a principal forma que a população terá de desfazer medidas que atingiram direitos básicos como saúde, educação e segurança, na avaliação de João Pedro Stedile, da direção do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Em entrevista ao Brasil de Fato, ele avalia que o voto nulo e em branco só interessa a quem quer manter a crise em que o país se encontra.