quinta-feira, 23 de junho de 2011

A SOPA


Basta pouco, poucochinho p'ra alegrar
uma existência singela...
É só amor, pão e vinho
e um caldo verde, verdinho
a fumegar na tigela.

(o fascismo no seu melhor)

Distrair o telespectador fazendo da miséria espectáculo ou gracejar com as preocupações em que nos encontramos mergulhados, é a principal tónica dos mídia. E os pivots da TV estão de tal modo robotizados e desprovidos de sensibilidade que rastejam no ridículo e esbarram na agressão.

O programa em directo permitia a intervenção dos telespectadores tendo um deles manifestado a emoção que sentia quando confrontado com as dificuldades de muitas famílias em angariar o próprio sustento.

Segui com interesse o diálogo entre o telespectador e a responsável pelo programa e, não tivesse esta repetido a “graça” embrulhada num sorriso imbecil, poria em dúvida o que acabara de ouvir:

-- «Mesmo que seja só um prato de sopa, que seja servido numa mesa bem posta».

E para que não restassem quaisquer dúvidas repetiu a perversidade.

Imaginei o desespero de dividir a fome por todos numa “mesa bem posta”. E senti uma enorme náusea por essa gentalha vil, incapaz de compreender a angústia de milhares de famílias que na mesa “bem posta” têm os pratos vazios.

2 comentários:

Sérgio Ribeiro disse...

Onde é que foi isso?
É mesmo brutal insensibilidade.

Um abraço

Transhümantes disse...

Tenho bastantes dúvidas em relação ao "fascismo no seu melhor"!
O que não tenho duvida alguma, pelo menos nestas palavras, é que a humildade da então casa portuguesa reflectida na pouca comida se transformou desde há uns anos a esta parte numa ostentação exacerbada, muito mais fascista e humilhante que nessa altura. O comentário infeliz lançado nesse programa, revela muito bem,em toda a expressão, a fome de valores existentes numa mesa bem montada, em que não há caldo verde que o valha! É preferível viver numa humildade pensante, que numa bazofia medíocre aclamada em nome de uma democracia sem consciência alguma.Abraços!