segunda-feira, 2 de novembro de 2009

A "Vara de Porcos" de Vilar de Ossos


Cevado
a bolota nos montados da CGD e do BCP, o Vara, que tem vivido à vara larga, anda metido numa camisa de onze varas, para variar.


Após
aturadas investigações encontrei-os.


Daí a encostar a vara, ou seja, deixar de exercer cargos superiores, embora conduzido debaixo de vara, o mesmo é dizer, ser conduzido sob mandado judicial, não vai ser fácil. Andando à vara, e porque sabe mentir ou cortar a vara, como também se diz, procura fazer-nos crer que é possível endireitar a sombra de uma vara torta.

A charneca é enorme e a gula tão grande quanto as conivências sem medida.


E nós nunca mais conseguimos colocar o país nos varais.

1 comentário:

José Augusto Nozes Pires disse...

porreiro pá!Ou, como diria o Eça,«Menino, é dar-lhes com a vara!»