segunda-feira, 15 de março de 2010

O Penedo


É justo. O salário mensal do Penedo é de 46 mil euros. O Penedo em 2008 embolsou 655 mil euros. O Penedo vai receber como prémio de desempenho referente a 2009 seis meses de salário. O Penedo, o arguido, suspenso por “alegadas” ligações criminosas “cada vez que uma empresa é privatizada abre uma garrafa de champanhe”.


Ao serem anunciadas mais privatizações este Penedo irá abrir muitas mais garrafas de champanhe. E uns cerca de 300 mil euros de bónus vêm mesmo a calhar para poder distribuir champanhe por toda a escumalha que o rodeia. Escumalha sequiosa de mais privatizações para continuarem o saque.


«Privatize-se tudo, privatize-se o mar e o céu, privatize-se a água e o ar, privatize-se a justiça e a lei, privatize-se a nuvem que passa, privatize-se o sonho, sobretudo se for diurno e de olhos abertos. E finalmente, para florão e remate de tanto privatizar, privatizem-se os Estados, entregue-se por uma vez a exploração deles a empresas privadas, mediante concurso internacional. se encontra a salvação do mundo… e, agora, privatize-se também a puta que os pariu a todos

José Saramago – Cadernos de Lanzarote - Diário III – pag. 148

A TODOS!

4 comentários:

Mário Pinto disse...

Isto pode acontecer quando nascem filhos de uma puta já privatizada.

Abraço!

José Augusto Nozes Pires disse...

Privatizam-se as conversas entre corruptos, mas publica-se a vida privada dos honestos cidadãos. As putas são públicas, pois...

Meg disse...

Cid,

Pois privatize-se o país!

E não é que já há gente a sonhar com a volta de um Botas qualquer!!!
E "ele" espreita...

Um abraço

Fantasma disse...

-É apenas mais um dos muitos marajás que foram brotando à sombra do "centrão", sempre escarnecendo do Estado enquanto garante do equilíbrio social, fragilizando as suas estruturas e afastando as populações da sua defesa, para melhor o poderem abocanhar em benefício próprio e das classes possidentes.

-Chegou-se a tal ponto que já se ouvem vozes - que antes deram o seu "melhor" contributo para este festim - clamarem agora contra mais privatizações!

-Mais vale tarde que nunca, até porque está à vista de toda a gente que o agravamento da crise é proporcional ao desmantelamento do sector empresarial do Estado.

-Isto é: com a cedência de parcelas do Estado ao grande capital - para mais, a preços de "tremoços" - as mais valias e respectivas contribuições tributárias diminuiram drasticamente, e agora aí temos o PEC com todo o estendal de restrições sobre os salários e outras participações sociais, numa clara demonstração de que serão os pobres a pagar a crise!

-Face ao "regabofe" instalado por tais marajás, com salários e reformas acumuladas de forma obscena, é o momento apropriado para devolver a tal gente, com toda a frontalidade:

OS RICOS QUE PAGUEM A CRISE!

H.G.